Notícias

Energias renováveis

Sebrae faz workshop para debater fontes renováveis de energia em MT

Sebrae faz workshop para debater fontes renováveis de energia em MT

Por Vanessa Brito

O Centro-Oeste possui grande potencial para gerar energia elétrica a partir de fontes limpas e renováveis, considerando-se especialmente o grande volume de resíduos do agronegócio como insumo. Boas oportunidades de negócio poderão surgir nos segmentos das energias de biomassa, biogás e biocombustíveis nesta região. Ao contrário das fontes solar fotovoltaica e eólica, que estão bem-mapeadas no país, ainda é um grande desafio conhecer os potenciais para as energias de biomassa, biogás e biocombustíveis.

Até o momento, as iniciativas de geração baseadas no reaproveitamento dos resíduos da pecuária e da agricultura são esparsas e realizadas por produtores rurais, geralmente para consumo próprio em suas propriedades e produção, sem estarem interligadas às redes das concessionárias estaduais de energia elétrica.

Para levantar informações sobre este cenário, o Sebrae Nacional criou o Projeto Brasil Central Energias Renováveis, em outubro passado, do qual fazem parte os estados de MT, MS, GO e o DF e, ainda, Roraima (devido ao potencial para energia eólica e à vulnerabilidade energética deste estado).

Nesta terça-feira (2), o Sebrae MT realizou o primeiro evento do Projeto Brasil Central – Workshop Uso da Biomassa como Fonte de Energia Renovável -   reunindo mais de 90 pessoas, entre empresários, produtores rurais, acadêmicos, pesquisadores, instituições e universidades no Centro de Eventos do Pantanal em Cuiabá.

A coordenação do workshop e do estudo sobre o potencial em MT, que será concluído no final de maio, está sob a responsabilidade de Suani Coelho,  professora do Programa de Pós-graduação em Energia  do Instituto de Energia e Ambiente (IEE/USP), coordenadora do Grupo de Pesquisa em Bioenergia (GBIO/USP) e vice-coordenadora do Programa de Economia e Políticas do Centro de Pesquisa em Gás da Fapesp e da Shell.

“Esta é a primeira vez que que fazemos este trabalho em MT, estado que possui enorme potencial para desenvolver energias renováveis em parceria com o agronegócio. Este é um setor que precisa de energia para secagem de grãos, irrigação, transporte e logística”, justifica a acadêmica.

“A vantagem da biomassa é que a geração é local. Por exemplo, suinocultor e produtor de soja, ao invés de trazer cavaco de madeira de longe para gerar energia, pode usar os resíduos da suinocultura e o bagaço da soja de sua propriedade. Se o produtor estiver longe da rede elétrica da concessionária, é possível gerar biogás, a partir dos resíduos da propriedade”, ressalta.

Oportunidades

O gerente de Macrossegmentos do Sebrae MT, Ricardo Santiago, informa que os estados participantes do projeto e DF também estão realizando estudos. Todos apresentarão análises dos cenários mundial, nacional e estadual. 

“Trouxemos lideranças das energias renováveis (biomassa, biogás e biocombustíveis) ao workshop para também levantarmos informações sobre a governança dessas atividades”, informa o gerente.

Posteriormente o Sebrae vai mapear as oportunidades para os pequenos negócios nas energias renováveis, disponibilizando informações em cartilhas e infográficos. Os estudos do projeto Brasil Central Energias Renováveis vão subsidiar a instituição no desenvolvimento de ações e projetos de apoio a este segmento de negócio que está surgindo no país, acrescenta Santiago.

Programação

Na parte da manhã, foram abordados os seguintes temas no workshop:

. Uso da biomassa como fonte de energia renovável no Estado de MT pela professora Suani Coelho (IEE/GBIO/USP);

. Biocombustíveis líquidos em MT, por Jorge dos Santos, diretor executivo do SindAlcool MT e José Alexandre Golemo, diretor-executivo do SindiBio;

. Biogás em MT, apresentado por Rafael Gonzalés, diretor de Desenvolvimento Tecnologia do Centro Internacional de Energias Renováveis (CIBiogás) e Alessandro Gardemann, presidente da Associação Brasileira de Biogás e de Biometano (Abiogás);

. Aproveitamento energética de biomassa urbana, por Felipe Rinaldi Barbosa, do Departamento de Engenharia da Carbogas e Vanessa Quitete, pesquisadora da Embrapa Agrossilvopastorial

Na parte da tarde, os participantes do encontro trabalharam em grupos respondendo questionários para o levantamento de dados e discussão das barreiras existentes para as energias renováveis em MT. Foram formados três gruposs: Biogas, Biocombustíveis Líquidos; e Biomassa Sólida.

 

  • Quarta-feira, 3 de Abril de 2019