Notícias

CASO DE SUCESSO – Ekilibre Amazônia

 Cosméticos e produtos de higiene pessoal da floresta para o mundo

Cosméticos e produtos de higiene pessoal da floresta para o mundo

Por Maria Clara Cabral e Vanessa Brito

Uma pequena empresa de Alter do Chão - distrito do município de Santarém (PA) localizado às margens do Rio Tapajós, onde se formam belas praias nos períodos de estiagem, conhecidas como o Caribe Amazônico - fabrica artesanalmente cosméticos e produtos de higiene pessoal a partir de ervas, raízes, frutas e frutos conhecidos, há gerações, dos povos da floresta. Comunidades e cooperativas formadas por ribeirinhos assentados e indígenas são os fornecedores do empreendimento.

A Ekilibre Amazônia é o nome desta marca que nasceu no fundo de quintal em Alter do Chão e, em pouco tempo, conquistou consumidores locais e turistas brasileiros e estrangeiros. Foi fundada por Kairós Kanavarro, um advogado paulista que desistiu da cidade grande e partiu para viver uma jornada turística e de autoconhecimento de quatro meses, mas que acabou durando cinco anos, entre 2006 a 2010. O nome do negócio faz referência a duas palavras importantes para Kairós: equilíbrio (ambiental) e ‘libre’ - em espanhol significa livre, ou seja, liberdade.

Durante suas andanças, ele conheceu 14 países da América Latina. Chegou ao paraíso paraense em 2011, onde nasceu seu filho. Tudo aconteceu sem programação, apenas por intuição, diz ele. Hoje, Kairós é um empreendedor amazônico, responsável pela marca, formalizada em 2012, que produz 26 tipos de produtos originais da Amazônia, 100% naturais, sem conservantes e considerados veganos, que promovem bem-estar, saúde e beleza.

Fazem sucesso muito além da floresta e já são exportados para a Austrália, Inglaterra e França. Os mais vendidos são: sérum facial de açaí; creme facial noturno de cupuaçu maracujá e ucuuba; manteiga de cupuaçu; e pó dental de jambu, cravo e gengibre. Eles têm propriedades altamente antioxidantes, nutritivas, hidratantes e de regeneração celular, antissépticas, segundo o empresário.

A maioria das fórmulas foi e continua sendo criada pelo próprio Kairós, um autodidata, que fez cursos técnicos de naturologia, durante um ano e meio em Belém, e sempre foi um grande admirador e observador de comunidades tradicionais. A Ekilibre conta com uma bioquímica responsável e todos os produtos possuem ficha técnica e são aprovados pela Vigilância Sanitária municipal e estadual, e também pela Anvisa, depois de testes laboratoriais feitas pelo órgão em Brasília.

A fábrica gera 14 empregos diretos e 5 indiretos.  O centro de distribuição da Ekilibre fica em São Paulo (SP). As vendas são feitas pelo site www.ekilibre.com  e em lojas de produtos naturais de SP, RJ, MG e GO. 

O empresário ressalta que 80% das matérias-primas são adquiridas de cooperativas da bacia amazônica, comunidades ribeirinhas e indígenas. Onze agrupamentos distribuídos nos estados Amazonas, Pará, Roraima, Rondônia e Acre estão na cadeia produtiva da empresa de Alter do Chão. Ele estima que o empreendimento beneficia 35 pessoas, entre ribeirinhos, indígenas e assentados.

“Como muitas dessas entidades ainda estão em níveis diferentes de formalização, a gente também presta assessoria jurídica para ajudá-las a chegar ao padrão que precisamos”, explica.

Laboratório natural

 “O grande laboratório da Ekilibre é a floresta”, afirma Kairós. “ Em todos os lugares que visitei sempre experimentei os hábitos das comunidades tradicionais”, conta. Em Alter do Chão, viveu os costumes dos povos ribeirinhos e indígenas. Começou a misturar tecnologia mexicana com brasileira. Pesquisava e ainda pesquisa muito sobre a biodiversidade da floresta.

“A cosmética natural nasceu da observação. Comecei a inventar fórmulas e a experimentá-las em mim mesmo”. Ele diz que se sentia mais saudável, bonito e com o corpo mais puro. Ao contrário dos cosméticos industriais, que também estudou, não há substâncias nocivas à saúde nos produtos da Ekilibre, informa.

A Ekilibre começou, em 2011, no fundo de quintal, junto com a companheira e mãe de sua filha. Os dois fizeram 10 primeiras unidades de desodorante de óleo de coco de babaçu e as venderam rapidamente na praça principal do distrito. As encomendas não pararam e eles continuaram produzindo.

Empreendendo

“Vi que havia interesse e mercado. O passo seguinte foi fazer capital para investir na fábrica caseira. Nunca dependi de financiamento, sempre investi recursos próprios. Vendíamos caipirinha de frutas da floresta numa barraca e fomos aumentando aos poucos a produção de cosméticos”, revela. Sabonetes de manteiga de cupuaçu, castanha do Pará e ervas eram fáceis de vender.  

Para abrir negócio precisava de outras habilidades que não possuia, especialmente em gestão e finanças. Começou a fazer cursos no Sebrae SP, em 2015, e no Sebrae PA, em 2018. Participou do Empretec, uma metodologia da ONU ministrada pelo Sebrae para desenvolver comportamentos empreendedores. Ele e a sócia Zezé Freitas - ela cuida da central de distribuição na capital paulista -  também participaram do Programa de Qualificação para Exportação (PEIEX).

A empresa cresceu à taxa de 60% ao ano. Em 2018, subiu para 100%. Sempre com capital próprio, enfatiza. O sucesso se deve às fórmulas simples, concentradas e extremamente naturais. “A Amazônia é muito poderosa.  Respeito muito a floresta”, declara.

No momento, os dois sócios estão avaliando o sistema de franquia, apoiados pelo Sebrae. O objetivo é franquear a Ekilibre para expandira marca em outros estados. A meta da marca, segundo Kairós, é se tornar referência nacional e também internacional.

Profissionalização

A partir da primeira loja, a Ekilibre Amazônia começou a ganhar corpo. Em 2017, mudou de espaço em Alter do Chão. Nesse ano, a nova loja passou por mais uma reforma para abrigar um SPA, inaugurado há 15 dias.  São dois espaços destinados à clientela que quer fazer tratamentos de beleza e saúde com produtos da marca. Entre os serviços oferece: massagens, escalda pés, máscara facial de argila da Amazônia e mais oito tipos de tratamento, informa.    

Kairós continua sendo responsável pelo desenvolvimento de todas as fórmulas, mas já conta com três colaboradores no laboratório da empresa. Na área comercial, a empresa possui dois revendedores em Belém e Manaus e 12 revendedores em São Paulo. O e-commerce continua a todo vapor no site, atendendo a todo o Brasil.

Práticas sustentáveis

Toda água utilizada no laboratório é tratada por meio de um biofiltro, composto por plantas e material orgânico, que devolve limpa a água, que já não possui contaminantes, pois os insumos da Ekilibre são naturais.

O saneamento é feito por um sistema fechado de bananeiras. “A gente devolve a parte sólida como adubo para terra, que faz a bananeira crescer, dando frutos rapidamente. A água é devolvida por vapotranspiração de folhas; o sol bate na folha e puxa água da raiz”, explica Kairós.

As embalagens são em vidro e plástico reciclado, mas ele gostaria que todas fossem biodegradáveis. Em Alter do Chão, a empresa oferece logística reversa, isto é,  recebe as embalagens devolvidas pelos clientes.

Kairós se sente gratificado pelo papel que a empresa está exercendo na economia local. “Sou um capitalista consciente. Quero que todo mundo fique bem. Comecei vendendo na praça. Acredito o esforço pessoal leva a pessoa a evoluir”, conclui. (www.ekilibre.com)

 

 

  • Quarta-feira, 18 de Dezembro de 2019