Notícias

Comércio exterior

Produtos típicos do Brasil são opção para microempresas que querem exportar

Produtos típicos do Brasil são opção para microempresas que querem exportar

Por Jornal de Negócios - Sebrae-SP

Para uma empresa de pequeno porte nos dias de hoje, vender seus produtos para o exterior não é mais um passo muito grande para ser dado. Pelo contrário, investir em exportação, especialmente em um momento de recessão econômica, pode ser uma maneira de “colocar os ovos em cestas diferentes” e diminuir a dependência do mercado interno. Ao mesmo tempo, é uma maneira de levar a outros países produtos tipicamente brasileiros, um diferencial visto com bons olhos no mercado internacional.

Somente no ano passado, as micro e pequenas empresas do Estado de São Paulo exportaram mais de US$ 635 milhões, um pequeno crescimento em relação a 2014, quando esse montante foi de R$ 629 milhões. Isso mostra que mesmo em meio à desaceleração da atividade econômica no País, as vendas para o exterior se mantiveram.

A crise não foi um obstáculo para o empresário Humberto Azenha, proprietário da Pamonha Gourmet, que desde meados do ano passado produz o típico alimento à base de milho para vender no exterior. “A ideia surgiu em dezembro de 2014, quando entramos em contato com importadores de produtos brasileiros na Europa e identificamos a demanda desse produto. A crise no mercado nacional não influenciou a nossa decisão de exportar, a empresa nasceu moldada para o mercado nacional e internacional”, afirma.

Atualmente, a Pamonha Gourmet está presente em seis países europeus (Irlanda, Inglaterra, Bélgica, França, Espanha e Portugal), mas Azenha diz que está prospectando vendas para outros mercados na Europa, EUA, Canadá e Emirados Árabes. Instalada no município de Jambeiro, interior de São Paulo, a empresa tem hoje sete funcionários e planeja ter sedes fora do País – tudo com base em um crescimento planejado. “A exportação não alterou o nosso volume de produção, trabalhamos desde o início da empresa considerando ambos os mercados”, diz Azenha.

Portas Abertas

O apelo dos produtos típicos brasileiros ou feitos com matéria-prima da flora nacional (caso de cosméticos e perfumes) pode abrir as portas para os empreendedores no exterior, mas o que realmente vai contar para o sucesso de uma empresa que pretende internacionalizar suas vendas é o planejamento cuidadoso e a qualidade dos produtos.

“Para atender às exigências do mercado externo é preciso investir tempo – do empreendedor e da equipe – nesse assunto e focar em mercados específicos. Abrir muito o raio de atuação tende a potencializar o volume de normas a serem atendidas”, afirma o consultor do Sebrae-SP Gustavo Carrer, especialista em comércio exterior.

Para ele, o empreendedor que pensa em exportar pode começar olhando para os mercados vizinhos antes de dar um passo maior. “Começar devagar e em mercados mais fáceis de atuação, como na América do Sul, facilita a diminuição dos ‘medos’ que o comércio exterior pode causar nas pequenas empresas”, diz Carrer.

De acordo com o consultor, o planejamento para a empresa que pretende exportar deve levar em conta que não é possível depender de um mercado específico. “Uma empresa que consegue ter parte do seu faturamento no mercado interno, parte em um mercado de compras públicas e o restante no mercado externo reduz de forma exponencial as chances de fracasso e se torna muito mais competitiva”, explica.

Ao mesmo tempo, adequar sua produção para mercados bastante exigentes, como Estados Unidos e União Europeia, faz com que o produto ou serviço oferecido no mercado interno também tenha um salto de qualidade. “Os clientes internos passam a valorizar o que está sendo entregue, pois percebem algum valor agregado. Sabe aquela expressão ‘produto tipo exportação’, que tacitamente é sinônimo de qualidade? É disso que se trata”, afirma.

Assim como no mercado interno, a prospec- ção de clientes internacionais segue os mesmos princípios: participar de eventos, feiras e rodadas de negócios, além de utilizar representantes comerciais (no caso de exportação as Companhias Comerciais Exportadoras). “Da mesma forma que é feita com os clientes internos, é preciso visitar, almoçar, fazer diversas reuniões, enviar amostra, fazer venda em consignação, investir em merchandising”, diz Carrer.

Para os micro e pequenos negócios que são optantes do Simples, o consultor destaca que, além do limite de R$ 3,6 milhões em receitas por ano, o empresário pode vender outros R$ 3,6 milhões para o exterior. “Uma empresa que faturou R$ 7 milhões em um ano, sendo R$ 3,5 milhões no mercado interno e R$ 3,5 milhões no mercado externo, continua sendo Simples e aproveitando dos benefícios que o programa proporciona”, exemplifica.

  • Terça-feira, 25 de Outubro de 2016

Conteúdos relacionados

Sustentabilidade

Sustentabilidade

Conheça os principais conceitos, desafios e vantagens de incorporar a sustentabilidade nos pequenos negócios

Ler Mais
Dicas sustentáveis

Dicas sustentáveis

Como crescer com práticas responsáveis

Ler Mais

Mais Lidas

  • São Paulo será sede do maior encontro da construção verde da América Latina

    São Paulo será sede do maior encontro da construção verde da América Latina

    A 8ª Greenbuilding Brasil Conferência Internacional e Expo vai reunir a cadeia produtiva da construção sustentável para fomentar o conhecimento e a tecnologia voltados à geração de negócios para o setor

    ler mais
  • CEO da B.R.E. visita Centro Sebrae de Sustentabilidade

    CEO da B.R.E. visita Centro Sebrae de Sustentabilidade

    Dr. Peter Bonfield definiu construção como fantástica e elogiou trabalho desenvolvido pela instituição

    ler mais
  • Pela primeira vez em Cuiabá, curso capacita consultores para certificação LEED

    Pela primeira vez em Cuiabá, curso capacita consultores para certificação LEED

    Fruto da parceria entre Sebrae/MT e GBC Brasil, o curso tem como objetivo mostrar práticas sustentáveis em construções e capacitar profissionais para se tornarem consultores LEED GA.

    ler mais
  • Ainda faltam cinco meses para 2017 acabar, mas em 2 de agosto, a humanidade já extrapolou o limite dos recursos

    Ainda faltam cinco meses para 2017 acabar, mas em 2 de agosto, a humanidade já extrapolou o limite dos recursos

    Calculada desde 2000, a data acontece mais cedo a cada ano.

    ler mais
  • GBC Brasil oferece semana gratuita de treinamento sobre construção sustentável

    GBC Brasil oferece semana gratuita de treinamento sobre construção sustentável

    Consolidando os resultados positivos dos últimos 10 anos, o GBC Brasil cria campanha sobre os benefícios e resultados da Certificação LEED.

    ler mais
  • Gestores investem em ações sociais e com isto, integram os colaboradores e conquistam a comunidade

    Gestores investem em ações sociais e com isto, integram os colaboradores e conquistam a comunidade